Maratona de Berlim 2013

Maratona de Berlim 2013

terça-feira, 10 de março de 2015

Relato de prova: Circuito das Estações Outono 2015


Na ordem: André, Ivan, Gustavo, Leandro e eu

Neste domingo foi realizado Circuito das Estações Outono RJ.

Prova festiva, como sempre, mas muito "redonda". O calor foi o esperado para março, ou seja, muito, ainda que o dia tenha amanhecido nublado.

Fizemos um grupo aqui na empresa e nos inscrevemos juntos, além de nos encontrar antes e depois da prova. Durante a prova, foi basicamente cada um por si he he.

Fiz uma boa prova, dentro das minhas expectativas para o momento! estou em preparação para a Meia Golden Four, daqui há um mês e para a Maratona do RJ, em julho. Assim, não foquei nos treinos para esta prova.

Antes da largada, a estratégia é de esperar o momento do alongamento (desnecessário neste momento, como mostram os estudos) e aquecimento, para sair de fininho e se posicionar para a abertura do curral de largada. Funcionou perfeitamente e pude correr sem atropelos nem zigue-zague, com uma boa posição de largada.

Fui controlando o esforço no batimento cardíaco, que é pessoal e que eu sei até onde deve ir, no meu caso, numa prova dessas. Queria fazer abaixo de 1h, e consegui manter uma folga durante toda a prova. A largada foi às 8h. Do meio para o final o sol saiu de entre as nuvens e o calor aumentou muito. Não ajudava que a camisa, embora de ótima qualidade, esquentava bastante. O que fiz foi pegar água, que estava sempre gelada, e ir jogando na nuca durante a prova. Isso amenizou o calor já infernal.

Faltando uns 2 quilômetros apertei um pouco o ritmo, mas sem chegar em um extremo, até porquê não era prova para PR nem o foco do ciclo de treinamentos. Ao final, o tempo de 58'52", com pace de 5'53", agradou :-) .

No momento estou em esforço de redução de peso e reeducação alimentar, que já está trazendo resultados. Sinto a circunferência abdominal menor. O peso caiu pouco, mas creio que também tenha ganho massa magra do reforço muscular que estou fazendo. Vou diminuir um pouco as cargas, para conseguir ficar mais leve nos treinos e provas. O importante é que estou conseguindo me segurar e não comer guloseimas, além de ter incorporado mais coisas saudáveis na dieta.

Estou também, novamente, com a fascite plantar, que me incomoda por umas duas semanas. No entanto, ela está leve e não me atrapalha para correr. Estou fazendo o trabalho com a bolinha de pet shop, e acredito que isso vá resolver. O maior problema é o sapato do trabalho.

Ao final da prova encontrei os amigos, tirando as tradicionais fotos e já estamos combinando a próxima.

Quanto à prova, achei a organização ótima. Água gelada e frequente, staff atencioso, camiseta bem bacana e boa marcação de quilômetros. Aliás, quanto a este último ponto, acho que é a primeira vez que elogio em uma prova aqui no Brasil. Só fica faltando a largada por baias de acordo com o tempo, pois a que há é para inglês ver...


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Disney: Aprendizados de uma maratona que não foi

Não deu para mim. Inscrito na Maratona da Disney, desisti de participar.

Como já disse por aqui, tenho um problema na coluna de protusão de disco, na lombar. Esse é um estágio antes de uma hérnia. Mas vou contar a história começando duas semanas antes, na cronologia abaixo:

- dia 29/12 (D -13): fui fazer, pela manhã, um alongamento de extensão das costas em casa e senti uma travada.

- dia 30/12 (D - 12): a dor era muito forte, estava todo travado e trabalhava a base de analgésicos. Começava meu desespero, pois falta pouco para a prova. Ao final do dia, viajei de ônibus para MG, para passar a virada do ano.

- dia 31/12 (D - 11): sem alterações no quadro

- dia 1/1 (D - 10): ainda sem alterações, mas consegui agendar um massagem na linha shiatsu + reflexologia podal em MG para o dia seguinte.

- dia 2/1 (D - 9): a massagem foi sensacional. O rapaz era muito bom, e até ficar de pé nas minhas costas ele ficou. Estalou tudo. Melhorou uns 70%. Marquei outra sessão para o dia seguinte.

- dia 3/1 (D - 8): com mais uma massagem, melhorou um pouco mais, principalmente a parte de cima das costas, pois estava doendo tudo. Ainda fiquei com uma dor, de uns 20% da inicial, na região lombar.

- dia 4/1 a 7/1 (D - 7 a D - 4): sem alterações no quadro. Dia 6/1 embarque para Orlando.


- dia 8/1 (D - 3): visita ao Island of Adventure (parque). Muitos brinquedos, incluindo montanhas russas e brinquedos mais radicais. Não me dei conta, mas a coluna sentiu.

- dia 9/1 (D - 2): visita ao Lego Land (parque da Lego). Embora com menos atrações radicais, fui em uma montanha russa que forçou novamente a coluna. Ao final do dia, passei na feira e peguei o kit da prova. O lugar era sensacional, mas cheguei 10 minutos antes de fechar.

dia 10/1 (D - 1): não fui a parque, mas ao Cabo Canaveral (NASA). Lá entrei em um simulador de lançamento de ônibus espacial, mais uma forçada na coluna. Chegamos ao momento crítico: dia 10/1 às 21:30h. Todo mundo foi dormir e eu preparei todo o kit da prova, marcada para o dia seguinte por volta das 5h da manhã.

Fiquei por 1 hora e meia raciocinando. Por um lado, pensava naquela história de "a dor é temporária, desistir é para sempre". Por outro, lembrava que forçar a barra poderia prejudicar muito o restante das férias, que estavam só começando. Isso poderia impactar não só a mim mas, principalmente, a família. Não conseguia chegar a uma decisão.

O que me levou a decidir foi algo que aconteceu na minha vida alguns anos antes. Tive uma loja, que se revelou um negócio muito ruim. Mas tive um Natal com boas vendas. Quando chegou em janeiro era hora de comprar a nova coleção e aí tomei uma decisão radical. Escolhi desistir e fechar a loja no mês seguinte. Foi o melhor que podia ter feito. Não me deixei levar pelo emocional e pela euforia e tomei a decisão mais racional.

Então, depois de meses de preparação, de ter a roupa, os géis, meias, tênis, GPS, tudo preparado e na cadeira, resolvi desistir. Acordei um pouco mais tarde e achei que ainda dava tempo de repensar a decisão. Só que já era 5:30h. Foi. Minha participação na prova estava definitivamente cancelada. No dia seguinte, sentia tristeza. Até porque fui para o Magic Kingdon e tinham zilhões de pessoas com as medalhas. É a vida...

Fazendo um balanço do ciclo, diria que não foi dos melhores. O maior longão havia sido alternando corrida e caminhada, de 30k em 3 horas e meia. Eles foram muito sofridos. Abortei treino. Sentia, embora não tenha relatado, um desconforto na coluna que culminou com a crise. Acho que, para continuar correndo longas distâncias, preciso voltar a fazer massagem e, para isso, achar alguém especialista na linha de shiatsu e, se possível, reflexologia. Em 2013 fiz isso e o ano foi ótimo. Também tenho que repensar essas maratonas internacionais, até ter mais confiança. Possivelmente passarei a focar em meias maratonas mais para a frente.

Outras provas virão. O treinamento já havia sido fraco e não me dava confiança suficiente. Sinceramente, submeter o corpo àquele stress, naquelas condições, não me parece que seria a melhor escolha. Hoje, olhando para trás, acho que foi a melhor decisão que podia ter tomado. A propósito, as férias foram maravilhosas!

Semana que vem volto aos treinos. Depois da folga dos brinquedos, a coluna está zerada de novo. Já estou animado e inscrito para a Maratona do RJ, em julho. Antes farei alguma meia, se tudo der certo. Não estou frustrado. Nem um pouco, aliás. De tudo se tiram aprendizados, e eu tirei muitos.

Sigo devagar, passo a passo, como na vida...





segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

A última coca-cola do deserto

Neste sábado, 20/12, de 18h30' às 22h (3h30'), saiu finalmente o maior longão na preparação para a Maratona. Valeu, mas foi sofrido mais uma vez.

Dessa ver alternei 5' de corrida por 1' de caminhada, achando que ia ficar tranquilo. De fato, melhorou um pouco, tanto que consegui completar, mas não tanto quanto esperava. O desempenho foi fraco, saíram apenas 30k. Como comparação, na preparação para a Maratona de Berlim consegui fazer 32k neste mesmo treino, embora alternando 4' de corrida por 1' de caminhada.

O único culpado que consigo apontar é o calor. Desta vez o treino começou com 32º, caindo a 27º ao final. Acho que isso pode estar fazendo pelo menos parte da diferença. Se for essa a causa dos treinos de rua não estarem muito bons, o resultado será melhor na corrida.

A ideia original era correr em volta da Lagoa Rodrigo de Freitas, mas, em função da árvore de Natal, que leva uma multidão ao local, o treino ficaria impraticável, por isso foi escolhido o Maracanã.

O ponto bom da corrida foi uma coca-cola geladinha que comprei de um ambulante já no final do treino. Impressionante a energia extra que me trouxe, pelo sódio e açucar. De resto, a hidratação e alimentação foram adequadas, com água, gel e paçoca, alternados a cada 45 minutos.

Agora os treinos já começam a diminuir para a Maratona. Deveria estar mais confiante por não estar sentindo nenhuma contusão a esse momento (absolutamente nada), mas estou com um certo receio para esta prova.

A felicidade é em estar vivo e com saúde para mais esse desafio.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Meilámeicá

Os últimos longões já não foram essa brastemp...

Minhas pernas tem estado pesadas, não sei exatamente porquê. Pela 1ª vez desde que comecei a correr senti falta de uma ajuda externa, de alguém que pudesse trocar uma ideia sobre os treinos. O problema é que, depois de 6 anos estudando e praticando esse troço, acho que nenhum treinador ia me aguentar... he he

Bom, mas vamos aos fatos. O treino da semana retrasado até saiu como planejado, pois eram previstas 3 horas de treinos que foram realizadas, no Maracanã. O problema é que foi bem mais sofridas do que era para ser. E neste último sábado, era para ser 3h15', mas só saíram 2h10'. Simplesmente estava sofrido demais para continuar.

Está difícil fazer um diagnóstico preciso. Pode ser excesso de carga em pouco tempo, pode ser treinos semanais mais pesados do que deveriam, pode ser o calor que está forte, pode ser o excesso de peso...

Amanhã tem o longão de 32k... vamos ver!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Longão final se aproxima

A preparação para a maratona está de vento em popa, melhor do que imaginava.

Estou fazendo 3 treinos de corrida por semana. Um fartlek puxando mais na velocidade, na terça, outro de ritmo ironguides, na quinta e o longão no sábado. Na última semana ele atingiu 3 horas, e cerca de 27k. Tenho parado apenas para me hidratar, a cada 45 minutos. Além deles, tenho feito musculação na 2ª e 4ª. Tem funcionado bem.

O penúltimo longão fluiu leve, quando dei 3 voltas em torno da Lagoa. Essa semana tive que correr em volta do Maracanã e, não sei porquê, as pernas estavam meio pesadas. Ainda não sei se foi por causa da musculação ou do treino de ritmo. Completei, mas foi difícil.

O ritmo ainda está lento, mas creio que esteja melhorando. Não estou emagrecendo muito, acho que estou ganhando um pouco de músculo, que está compensando a perda de gordura. Não confio muito no % de gordura que a balança de banheiro calcula.

Vou ver se essa semana pego um pouco mais leve na musculação e no treino de ritmo para ver se o longão flui mais fácil. Depois desse sábado, o treino da semana que vem será o famoso 32k, essencial para dar confiança para a maratona. Depois os treinos começam a se reduzir de volume e intensidade.

As dores acontecem e não podia ser diferente, mas sem nada que preocupe no horizonte. As coisas se encaminham para uma maratona entre 4h15' e 4h30', mas tudo dependerá muito deste mês final de preparação. A motivação está excelente!

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Deu para animar!

O que quase duas boas semanas de treinos não fazem!

Dores ocasionalmente vem e vão, dentro do processo normal de treinos para uma maratona, mas não há nada preocupando muito. Com isso tenho conseguido encaixar bons treinos.

Já consegui perder mais de 1 kg dos 5-6 kg que preciso perder.

O longão já foi de 2h15' e no próximos fim de semana será de 2h30'.

Claro que o treinamento será, uma vez mais, aquém do que deveria para uma maratona e, assim, não será possível encaixar um ritmo muito bom. Mas já consigo vislumbrar uma boa prova.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Gordo, mas melhor do pé

Resumindo, é isso...

O pé melhorou. Fiz bastante gelo e deu certo. Mas perdi um tempão sem conseguir treinar direito, o que prejudicou muito a preparação em um momento crítico. Houve semana que cheguei a fazer apenas dois treinos, um fraco durante a semana (40 minutos devagar) e um melhorzinho, que sequer poderia ser considerado um longão, no fim de semana. Esta semana consegui treinar melhor, por 3 vezes, mas os treinos ainda sem grande qualidade.

Não consegui emagrecer até agora. Com a prova se aproximando e sem conseguir treinar decentemente, fiquei ansioso. No meu caso, isso se reflete diretamente no que como. Engordei mais. Estou uns 6 quilos acima do que estava na maratona de Berlim, quando fiz em 4h31', mesmo alternando corrida e caminhada. Agora estou pelo menos meio minuto por quilômetro mais lento.

Ontem fiz um longão de 2 horas e foi bem mais ou menos. Me senti lento e com preparo ruim. As duas horas saíram sofridas. Com o peso a mais, a coluna também está incomodando.

Enfim, a preparação não está das melhores. Faltam 2 meses. Ainda dá para fazer uma boa prova, mas preciso emagrecer.

Desculpa pelas más notícias, mas depois de alguns anos de blog, você escreve mais para deixar as coisas registradas mesmo, sem preocupação da leitura estar agradável ou não.

Vamos ver o que ainda dá para fazer. Ainda há esperança de fazer uma boa prova. que não está nesse momento relacionada a fazer um grande tempo, mas mais em não sentir dor e completar com a sensação agradável da endorfina.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Preparativo para a próxima maratona

Estou com meta de maratona em janeiro, então estou na 2ª semana de treinos.

Como já vinha treinando regularmente, estou fazendo uma transição mais leve para os treinos mais longos. Vinha fazendo os longões em 15k, mas agora comecei a aumentar. Domingo foi dia de fazer 17k, em volta do Maracanã. Além do longão, tenho feito mais 2 treinos durante a semana, um de 1' forte por 1' fraco, de 45 minutos, e um de 1' forte por 20" lentos, mais longo e que chegou a 1 hora.

Só tenho dois problemas para lidar. O primeiro, menos grave, é o peso, que me torna mais lento. Continuo com 5 kg a mais do que gostaria. Essa semana comecei uma dieta nova, espero que funcione dessa vez. Esse problema não me preocupa porque me faz ser mais lento, mas, tirando isso, não me impede de fazer uma boa prova.

O outro problema é pior, estou com uma dor no topo do pé que está difícil de lidar. Começou há 10 dias, durante um longão na Lagoa, e estou tratando com gelo e massagem com a bola de pet shop. Também havia parado de fazer a massagem, por isso hoje marquei uma sessão extra, que espero que ajude. Já tive essa dor antes, mas da outra vez foi mais tranquila.

Vamos ver como as coisas evoluem... mas por enquanto estou com um alerta amarelo. Espero que passe para verde logo.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Relato de prova: Meia-maratona do RJ 2014

Começo o relato dizendo que a meia maratona do RJ foi minha melhor pior prova he he.

A prova em si foi maravilhosa. Começou com uma feira no Centro Sul América nos 3 dias anteriores que foi a melhor que já vi nas provas por aqui. Na verdade, em qualidade ela era equivalente à da Maratona do Berlim, só que em uma escala menor. O stand da Olympikus, principal patrocinador, era muito bonito, com uma réplica dos Arcos da Lapa. Bacana mesmo!

Quanto à prova, começou com o transporte por ônibus, que este ano sairam mais cedo. Como tive um aniversário na véspera, dormi de 1:10h às 4:10h da manhã. Depois de uma dificuldade de conseguir estacionar, às 5:15h pegava o ônibus da organização para a largada. Encontrei meu amigo Leandro antes, e fomos juntos para a prova. Só que o ônibus deu a volta ao mundo, passando pela linha amarela, e chegamos no local por volta das 6:15h, apenas 25 minutos antes da largada. Encontrei meu primo Paulo, dei uma passada no banheiro químico, sem filas mas tendo que prender a respiração e bora pra largada. Devido ao avançado da hora, ficamos lá no fundão.

Minhas duas companhias voaram na frente. Eu resolvi fazer uma prova conservadora, o que foi a melhor decisão. O tempo era muito bom, nublado mas sem chuva. A temperatura estava um pouco mais quente que nas vésperas, em torno dos 19º já na largada, mas estava ótimo para correr.

O abastecimento de água, isotônico (em saquinhos, excelente) e frutas (já na reta final) foi impecável. A única coisa que atrapalhou um pouco foi a quantidade de ultrapassagens necessárias, mesmo correndo devagar, pois em alguns lugares é bem estreito.

Depois da chegada assisti a chegada da maratona da elite, o que é sempre muito legal.

Meu desempenho foi ruim. Foi a pior meia, com tempo de 2h10', mas não quebrei ou algo assim. Comecei devagar, esperando acelerar ao longo da prova, mas não foi possível e mantive mais ou menos o ritmo até o final. Analisando, os treinos estiveram muito aquém do que deveriam. Basta dizer que meu maior longão havia sido em torno de 15k. Dessa vez as duas ladeiras no início cobraram o preço e quando cheguei ao Leblon as pernas realmente pesaram. A questão é o meu peso. Sem emagrecer fica difícil me motivar para os treinos.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Treinos para a Meia da Caixa: o dia do high-five

Como tenho feito desde 2009, com exceção do ano passado, estarei mais uma vez alinhado para a Meia Maratona do RJ. Na verdade, na meia mesmo será a 3ª vez, já que as duas primeiras foram na distância 6 km (family run).

Estou bastante animado. Consegui encaixar bons treinos, apesar da copa do mundo e dos quilos a mais que ganhei e ainda não perdi. Em relação à copa, prejudicou pelo foco, pois adoro futebol, e porque meu local preferido dos longões, o estádio do Maracanã, ficou fechado em algumas ocasiões.

Os treinos demoraram um pouco para encaixar, pois andei um pouco desanimado com algumas questões. Treinei apenas duas vezes por semana por um período, mas de um tempo para cá tenho corrido como gosto, que são 3x por semana, um mais de velocidade, um de ritmo e um longão. Meu longão mais longo ficou em 1h47' no sábado passado. Aliás, esse treino foi curioso.

Era domingo pela manhã, dia da final da Copa. Já sabia que o Maracanã estaria fechado, então fui correr na quinta da Boa Vista. Para minha surpresa, ela também estava fechada. Como já estava lá, resolvi esticar um pouco mais e fui correr no Campo de São Cristóvão, onde funciona a Feira dos nordestinos, um lugar bem legal e que recomendo para fazer turismo. Já foi melhor, mas ainda tem seus atrativos.

A questão é que eu não me lembrava, mas esse foi um dos locais selecionado para hospedar os argentinos que vieram sem hotel. Estava cheio deles, com seus carros e barracas de camping. Alguns estavam meio "borrachos" já aquela hora, mas a maioria estava inda dormindo ou acordando. Tive que dar várias voltas no pavilhão para cumprir o treino e um deles falaram alguma coisa que não entendi e estendeu a mão para eu fazer um "high-five". Como me pareceram amistosos, retribui o gesto. O treino foi feito sem maiores sobressaltos e valeu, embora o local não fosse dos melhores para correr.

Agora já estou em fase de polimento, e estou projetando uma prova em torno de 2h05', dependendo do clima.

terça-feira, 13 de maio de 2014

Relato de prova: Mizuno Half Marathon RJ 2014

Amigos,

Fui feliz mais uma vez!

A preparação para a prova foi boa, o problema é que ganhara 6 kg nos últimos meses. Assim, a expectativa de performance era baixa.

Cheguei de férias de 11 dias (nos quais fiz o polimento para a prova) na madrugada de sexta para sábado, e a prova era no domingo. Meu primo Paulinho (corredor veloz das antigas, com mais de 60 de idade e corpo e cabeça de 35) pegou o kit, pois este foi distribuído no distante Recreio dos Bandeirantes, local da prova, mas a uns 40 km da minha casa.

No domingo saí de casa às 6:00h, e 6:50h já estava no local combinado. Chovia bastante. Como que anunciando uma boa prova, entretanto, a chuva parou no momento da largada e deu tempo de ver um lindo e completo arco-íris, pouco atrás da massa de corredores.

A largada ocorreu sem atrasos, às 7:30h. Encontrei o Frotinha, o Carino, o Nishi e o Eduardo Elias, âncora da Fox Sports, que não conhecia mas do qual sou fã. Não os acompanhei, entretanto, achando que não teria pernas.

Resolvi ser bastante conservador, pois imaginava que faria a prova acima de 2h10'. Assim, resolvi controlar  pelo batimento cardíaco, fazendo o 1º terço a 140 bpm, o 2º até 150 bpm e o 3º acima disso, dependendo de como estivesse me sentindo.

O tempo estava perfeito para correr, sem calor nem chuvas e a prova era totalmente plana, as melhores condições que já vi para uma meia-maratona (ai eu com uns 7 ou 8 kg a menos...). O percurso era muito bonito, com o mar (bem forte) de um lado e, na maior parte, uma reserva do outro. O fato de ser ida e volta tem suas vantagens, como na facilidade em estacionar, na motivação, pois a partir da metade estamos voltando, e em cruzar com os amigos que estão no outro sentido.

Consegui me manter dentro da estratégia traçada, porém o que faz um corredor em uma prova longa? ora, bolas, contas ;-) ! e aí eu, com minhas contas, cheguei a conclusão lá pelo meio da prova que daria para fazê-la em menos de 2 horas. Para isso, entretanto, era preciso acelerar bastante!

Consegui o objetivo traçado, com um sprint nos últimos quilômetros. Na linha de chegada fui me aproximando do pacer de 2 horas e cruzei o pórtico junto com ele, em exatas 1 horas, 59 minutos e 53 segundos, longe de meu melhor tempo (1h49' em 2012), mas bom para as condições de momento. Senti que o coração estava bom, mas era difícil para as pernas aguentarem o saco de arroz a mais que carregava nas costas :-). Acabei me desencontrando do meu primo na chegada, o que foi uma pena.

Achei a prova boa, mas com alguns detalhes que poderiam ser melhorados nas próximas edições:
1) na largada, a fila do banheiro era imensa. É necessária uma maior quantidade de banheiros químicos
2) a água estava, na maior parte, meio quente
3) achei que o gatorade podia ser distribuído em maior quantidade de pontos, para permitir maior flexibilidade na estratégia de hidratação
4) seria bom ter um ponto mais central para distribuição do kit

Apesar destes pontos, que não chegam a comprometer, acho que o grande acerto foi o percurso, que é bonito e, como já disse, totalmente plano. Gostei também da distribuição de esponjas molhadas, ainda que nesse dia não tenha sido muito necessário. O acordo com São Pedro foi, no entanto, o maior acerto :-)

A meta desse segundo semestre é emagrecer. O próximo desafio é a Meia do Rio (Caixa) em Julho! Vamo que vamo...

terça-feira, 1 de abril de 2014

Mizuno 21k

Estou me preparando para os 21k da Mizuno, dia 11/05.

Depois de um início e meio de verão nos quais tive muita dificuldade de treinar mais forte, tenho evoluído bastante nas últimas semanas. Estou treinando três vezes na semana, e fazendo reforço muscular outras duas. Os treinos são uma adaptação do Ironguides ao meu organismo, que já sei mais ou menos como funciona depois desse tempo todo correndo.

O primeiro treino da semana é de velocidade, no qual não faço como o ironguides recomenda, com tiros muito curtos (20") de velocidade total. Faço 1' forte por 1' fraco, na esteira. No momento a parte forte está indo de 14 km/h a 15,5 km/h, enquanto a parte fraca fica em 8 km/h. No total contando aquecimento o treino fica em 45 minutos. Os tiros curtos me forçam muito a coluna e prefiro evitar para não ter problemas maiores tanto durante o ciclo de treinamento quanto mais para a frente.

O segundo é de ritmo, também feito na esteira, no qual alterno 1' relativamente forte por 20" lento, em um treino mais longo. Atualmente está na faixa de 1h10'. Nesse caso o forte tem estado na faixa de 12.5 km/h, enquanto o lento fica em 8.3 km/h.

O último treino é um longão na rua, no fim de semana. Também não dou os tiros que o ironguides recomenda. Faço o tradicional. O último foi de 15k, em 1h30', ou 6'/km. Tenho feito esse treino em volta do maracanã.

Nunca faço o desaquecimento aconselhado pelo Ironguides. Já li muitas pesquisas a respeito e já me parece quase consenso na academia a inutilidade dessa prática.

Nesse meio tempo tenho me alimentado bem melhor e estou perdendo a gordura acumulada. A batalha é contra o relógio, pois a prova é em 40 dias e ainda tenho uns 4 quilos para perder. Creio que isso, tanto quanto os treinos, daria uma condição melhor de buscar um bom tempo. Por hora, pelo tempo que falta até a prova, diria que dificilmente terei condição de buscar um recorde pessoal, atualmente na casa de 1h49'. Está me parecendo mais prova para fazer entre 1h52' e 1h55', mas vamos ver como as coisas evoluem.